Ou clones, ou escada…

Em algumas de minhas palestras, falo de minha teoria sobre os cinco erros mais comuns cometidos por nós, mulheres. E o primeiro que abordo, com grande conhecimento de causa, é “querer abraçar o mundo”.

Nós temos a tendência de assumir grandes responsabilidades em nossas vidas, inclusive algumas que nem deveriam ser nossas, porque temos dificuldade em dizer não (mais um erro comum), sentimos que precisamos provar – para nós e/ou para os outros – que somos capazes, ou, no fundo, não queremos correr o risco de não sermos amadas.

Ultimamente tenho enfrentado esse grande desafio novamente e até parece que o universo está me testando para ver se cumpro o que proponho às minhas coachees. Hoje, particularmente, foi um desses dias-teste:
Desde ontem estou com uma dor muito forte nas costas, intensificada desde a noite passada, dificultando até mesmo a respiração um pouco mais profunda. Mesmo com essa dificuldade de me mexer, estou ansiosa para conseguir dar conta de tudo, querendo marcar presença na reunião de pais na escola de inglês do meu filho, na mesma hora em que preciso conversar com uma cliente em um evento importante para fazer bons relacionamentos e aprender muitas coisas. Além do mais, adoraria poder participar de um curso de nutrição funcional que irá se iniciar apenas meia hora depois dos outros dois compromissos. Ai, se existissem alguns clones, não é mesmo!?
Falando em clones, vocês também não gostariam de ter alguns extras para poder aproveitar grandes oportunidades que aparecem? Neste mês de abril estou preparando o Coaching em Grupo para Mulheres que acontecerá no início de maio em Florianópolis e o que ocorrerá no meio de maio em Curitiba, mas também participarei da formação Master Coach em São Paulo (6 dias, incluído o feriado de Páscoa), tenho aniversários de grandes amigas e do meu amor, tenho dois filhos para cuidar, educar e amar, estou atendendo 7 coachees individualmente, preciso prospectar novos clientes, maaaaas…

Surgiu uma grande oportunidade hoje pela manhã! Que maravilha! A 505km de distância de Florianópolis, eu recebi um convite pelo qual fiquei muito feliz, para participar em dois finais de semana. A minha vontade, é claro, foi de “abraçar o mundo”, agarrar esta oportunidade e honrar o convite. Por alguns minutos hesitei em dizer não, pensando em qual engenharia quântica teria que fazer para conseguir atender mais essa responsabilidade. E então, eu lembrei de meu próprio discurso: precisamos saber priorizar o importante, dando passos estruturados, seguros, conscientes do plano e dos objetivos em curto, médio e longo prazo.

Essa oportunidade atendia meus objetivos em médio/longo prazo, mas afetaria meus objetivos de curto, que são degraus para os próximos. Não poderia pulá-los, muito menos fingir que eles não existiam, comprometendo a qualidade de meu trabalho. Portanto, meninas, quando temos clareza sobre aquilo que almejamos, fica muito mais fácil tomar decisões e, se for preciso, dizer não para algumas oportunidades que parecem incríveis no momento. Tenha paciência e serenidade para tomar boas decisões, e você verá grandes resultados surgirem.
Em tempo: a oportunidade ainda continua lá, e eu optei por comparecer à reunião do filhote. 😉

Boa subida!

Abraço coach,

Mariana Morena

Comentários